quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Não quero olhar para trás, lá na frente, e descobrir quilômetros de terreno baldio
que eu não soube cultivar. Calhamaços de páginas em branco à espera
de uma história que se parecesse comigo.
Não quero perceber que, embora desejasse grande, amei pequeno.'


-


Agora que achei um atalho, sinto muito, mas não vou olhar para trás.
Carrego comigo apenas aqueles retalhos de algodão, que enxugaram o suor póstumo e as lágrimas que nunca derramei.


-



Nenhum comentário:

Postar um comentário